| 
  • This workspace has been inactive for over 11 months, and is scheduled to be reclaimed. Make an edit or click here to mark it as active.
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • You already know Dokkio is an AI-powered assistant to organize & manage your digital files & messages. Very soon, Dokkio will support Outlook as well as One Drive. Check it out today!

View
 

Estudo de Caso

Page history last edited by Adriana Marques 14 years, 11 months ago

Estudo de Caso

 

Entrevista Estruturada com a mãe

Nome da aluna: Tamires (nome fictício)

Data de nascimento: 15/09/94

Escola Municipal

Idade: 15 anos

Mora com: mãe 39 anos, pai 42 anos, irmãos gêmeos- 5 anos

 

     Situação socioeconômica:

     Atualmente só o pai que trabalha, moram em casa alugada no mesmo pátio residem mais duas famílias. A mãe está fazendo EJA  á noite e procurando emprego. 

 

     Fez pré?

     Sim, com 5 anos na EMEF.  

     

     Com quem a criança reside?

Com os pais e os irmãos gêmeos de 5 anos, tem uma irmã casada de 19 anos que não mora mais com os pais.  

     

     Fases do desenvolvimento:

     A gestação foi desejada. A mãe relata que teve ameaço de aborto nos primeiros meses de gestação, necessitando fazer repouso.

 

     Desenvolvimento motor:

     Com que idade começou a andar?

     Mais ou menos 1 ano e oito meses.

     Com que idade começou a falar?      

     Mais ou menos com 4 anos.

     Com que idade controlou esfíncteres?

     Mais ou menos 2 anos.

     Até que idade chupou bico?

     Mais ou menos 10 anos.

     Até que idade tomou mamadeira?

     Mais ou menos 10 anos.

 

     Apresenta alguma dificuldade de visão, audição,fala ou outros?

     Com oito anos a escola solicitou avaliação auditiva e a criança apresentou uma perda de audição.

 

     Já foi solicitado acompanhamento psicológico e/ou neurológico? Descreva a idade a idade, motivo e tempo de acompanhamento:

     A Escola solicitou psicólogo e neurologista. Ela tinha 6 anos. A aluna iniciou atendimento psicológico no pré, realizando o atendimento pelo plano de saúde dos pais de 2000 até 2003. Quando nasceram os irmãos gêmeos a família não conseguiu manter o atendimento. Em relação ao neurologista avaliou que não havia necessidade de medicação.

 

     Quando a criança não faz o que foi combinado. Qual a atitude da família?

     A aluna recebe castigo tiram algo, quando necessário apanha. 

 

Histórico Escolar:

 

 

 

 

2000

 

 

2001

 

 

2002

 

 

2003

 

 

2004

 

 

2005

 

 

2006

 

 

2007

 

 

2008

 

 

2009

 

 

Pré

 

 

pré

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Progressão

 

 

EMEF.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Progressão

 

 

EMEF.

 

 

 

 

 

 

 

     Observações:

      Estudou de 2001 a 2007 em outro município. A aluna em julho de 2007 foi transferida para a classe de Progressão criada em nossa escola, pois a adolescente não apresenta condições cognitivas de acompanhar uma terceira série regular.

     A aluna passou a frequentar a Turma de Progresão no segundo semestre de 2007 que conta com um número reduzido de alunos com lacunas na aprendizagem. Neste espaço é desenvolvida uma metodologia adequada ao grupo, onde o professor observa e trabalha com as dificuldades de cada um, avaliando o sujeito dentro de suas capacidades, tempo e autonomia. 

 

 

     Outras observações:

     A aluna não é agressiva. A presenta problemas intestinais, constipação. A mãe coloca que é emocional. Há alguns anos a sua casa queimou toda. Não tem nenhum documento. A família repete para T. tudo que ela tem que fazer. Não pode gritar com ela. Apresenta atitudes infantilizadas, gosta de brincar com crianças menores. Apresenta muita dificuldade de concentração e compreensão do necessita fazer.

 

 

 


         Parecer da Professora da SIR ( último trimestre de 2008) 

 

     A aluna está em atendimento na SIR ( Sala de integração e Recursos) desde que foi inserida na TP( Turma de Progressão), em julho de 2007 quando passou para Progressão, devido as suas dificuldades cognitivas e defasagens idade/série. Nos atendimentos da SIR a aluna foi frequente, realizando o que foi proposto, porém sente-se insegura ao fazer as atividades que lhe exijam concentração e memorização solicitando constante ajuda da pedagoga especial.

     Sua atenção volta-se para as atividades que possa utilizar o computador, que foi uma ferramenta muito utilizada para desenvolver a leitura,interpretações, escrita,cálculos, pesquisas...

 


                                          Combinados em 2009 

 

 

     Escolhi a aluna T. por ter trabalhado com ela no LA (Laboratório de Aprendizagem) durante todo o ano de 2008 antes dela ser encaminhada para SIR ( Sala de Integração e Recursos) pois percebi poucos avanços na aprendizagem desta adolescente. 

   Neste ano (2009) a aluna que estuda e mora atualmente no município de Cachoeirinha está em atendimento na SIR. Existe um laudo com a professora da SIR informando que a aluna apresenta deficiência intelectual. Apesar da mãe relatar na entrevista que a menina tem perda auditiva não há comprovação médica e nem percebemos no dia-a-dia esta dificuldade. Observando o histórico escolar da aluna, ela  chegou em nossa escola para frequentar a terceira série porém sua defasagem idade/série foi logo percebida pela professora da turma. Em junho de 2008 ela trocou para a turma de progressão, onde existe um número menor de alunos e há uma atenção individualizada ao educando. Os conteúdos desenvolvidos na turma de progressão são os mínimos da série em que a educanda está inserida, para facilitar a qualquer tempo sua promoção para a série seguinte.

      Hoje  dia 19/06/09 tivemos uma conversa sobre a aluna T. A professora da turma de progressão coloca a dificuldade que a aluna apresenta em comprender as atividades, solicitando ajuda sempre para realizá-las.

     Estavam presentes nesta conversa eu,  professora do laboratório de aprendizagem e coral , onde a aluna participa ativamente, a professora da SIR(Sala de integração e Recursos), a supervisora da escola e a professora da turma de progressão.

     Fizemos alguns combinados no intuito de contribuir para melhorar a aprendizagem da aluna e ampliar as possibilidades de conhecimento desta adolescente.

      Ficou acordado  que continuará participando dos projetos da escola tais como dança e coral, já que estas atividades complementares além de ser do interesse da aluna possibilitam integração social com outras adolescentes da escola.

     Outro acordo importante é que a aluna passará a ter atendimento duas vezes por semana na sala SIR( Sala de Integração e Recursos)para ser trabalhada individualmente nas suas potencialidades.  

     A escola está preocupada com o lugar que esta aluna ocupa na família, percebemos muitas vezes que a mãe faz de T. a "cuidadora" dos irmãos e sua aprendizagem fica em segundo plano. Os profissionais que atendem a menina acordaram que farão chamamento novamente da família  para explicar da importância de incentivar a aluna para aprendizagem e atividades complementares.  

 


   Palestra

   

 

   Pensei onde deveria escrever este relato, se no wiki, blog ou talvez no fórum de deficiência intelectual.

   Optei por relatar aqui no wiki, visto que meu estudo de caso tem relação com a palestra "A Deficiência Intelectual na Sala de aula comum e na sala especializada (SIR)"  que assisti no sábado dia 20/06/09 com doutora Adriana Lima Verde (Fortaleza - CE)

   A palestrante coloca que não se faz inclusão com práticas pedagógicas homogeneizantes. Devemos promover momentos de aprendizagem que levem a metacognição.Necessitamos proporcionar a pessoa deficiente intelectual a  mobilização dos conhecimentos anteriores, perceber o tempo para o controle das tarefas.O professor deve ter uma gestão de sua sala de aula planejando atividades em duplas, em grupos heterogêneos, momentos individuais com a professora.Enfim,  efetuar no dia-a-dia de sala de aula várias estratégias de aprendizagem.

   A principal dificuldade da pessoa deficiente intelectual é em recordar o que ocorre quando não se mobiliza  os bons indícios (caminhos) para acessar à consciência. O professor deve buscar associações, relações para ajudar o aluno a chegar na memória. Para os deficientes intelectuais, a memória a longo prazo não está disponível e ele junta seu esforço na reconstrução dessa unidade.Cada atividade apresentada para o aluno deve ser como se fosse a primeira vez, estes educandos necessitam  de instruções para aprender a estratégia. O professor pode criar situações que possibilitem uma positiva relação com o saber. 

   Foi muito interessante que a professora da aluna T. deste ano estava na palestra e pode repensar um pouco sobre sua prática para melhor atendê-la. 


Conclusões do Estudo de Caso

 

    

    Concordo com o que diz Vygotsky quando fala das consequências sociais que o sujeito sofre.

    A aluna que estudei tem uma família onde ela ocupa o lugar de "cuidadora" dos irmãos mais novos e esta situação é oportuna para seus pais,  pois ambos precisam trabalhar e não têm com quem deixar os pequenos. A mãe relata que assim que a adolescente completar quinze anos vai transferí-la de escola matriculando-a no EJA. Ou seja, assim que ela tiver idade para estudar à noite ficará o dia todo cuidando dos irmãos, levando-os para escola...

   O que percebi é a escola preocupada com o avanço no conhecimento da aluna, transferindo- a para uma turma com menor número de alunos, adaptando os conteúdos mínimos propostos, mas com pouca parceria da família.

   Até em eventos na escola  eles não comparecem. Neste sábado, por exemplo,  a aluna deveria participar  da Feira do  Livro se apresentando nas oficinas que ela participa de dança e coral,  mas a mesma não compareceu e nem seus familiares revelando o pouco comprometimento familiar.

   Aprendi que os deficientes intelectuais devem ser estimulados no cotidiano fazendo associações e relações para acessar a memória a longo prazo e que cada atividade apresentada deve ser explicada como se fosse a primeira vez.

  Vygotsky (1997) traz um conceito alternativo de que ninguém é deficiente por si só, mas dentro de uma identificação social. Na verdade" o que define o destino de uma pessoa não é a deficiência mas suas consequências sociais."

Comments (6)

Janaína Siviero Ribeiro said

at 2:42 pm on Jun 20, 2009

Olá, Adriana!

Perecebi que tu te preocupaste em pontuar exatamente o que foi solicitado em cada unidade. Eu sugiro que tu faça um paragráfo de introdução explicando o motivo de teres escolhido essa aluna para fazer o estudo de caso. Podes escrever nesse paragráfo o munícipio onde a aluna estuda e mora. Além disso, podes escrever e explicar quais combinações foram feitas entre a equipe para o manejo e atendimento da aluna. Também gostaria que tu explicasse se a escola modificou algo em sua estrutura, avaliação, acompanhamento em função da aluna, ou se já existia essa preocupação anteriormente.
Podes deixar mais claro se existe um diagnóstico ou não.

Acredito que todas essas modificações serão apenas incorporadas ao texto, tu deves conhecê-las, existe a necessidade de fazer com que o leitor posso imaginar como é o caso que tu relatas, por isso a necessidade de detalhar as informações.

Um abraço,

Janaína

Adriana Marques said

at 8:55 pm on Jun 21, 2009

Janaína procurei contemplar o que foi solicitado. Eu estava laçando novas ideias sobre a aluna.
Adriana 21/06/09

Adriana Marques said

at 10:30 pm on Jun 22, 2009

Escrevi mais sobre a def. intelectual visto que meu estudo de caso tem haver com esta palestra.
Adriana 22/06/09

Janaína Siviero Ribeiro said

at 10:16 pm on Jul 8, 2009

Oi, Adriana!

Fico no aguardo da conclusão do teu estudo de caso!

Envia e-mail para mim avisando da postagem.

Um abraço,

Janaína

Adriana Marques said

at 8:21 pm on Jul 9, 2009

Janaína:
Meu estudo de caso já está concluído desde 22/06/09. Contemplei o que solicitasse nos combinados de 2009, a conversa que a equipe pedagógica fez com a professora da SIR e ainda acrescentei a palestra que assisti!!
Adriana 09/07/09

Janaína Siviero Ribeiro said

at 9:27 pm on Jul 12, 2009

Olá, Adriana!

Percebi que incluiste a entrevista e a palestra, mas é necessário que faça a conclusão do teu estudo. Assim que a fizeres me avisa por e-mail, ok?!

Um abraço!

You don't have permission to comment on this page.